Equipe do canil orienta sobre os problemas de deixar os animais saírem sozinhos


Publicado em 23 de novembro de 2021

 

Muitos cães têm o hábito de dar “uma escapadinha” ou até mesmo fugir de casa. Vários proprietários contam que basta abrir o portão para que o animal saia correndo para dar uma volta na rua. Esse costume, por vezes considerado inocente, pode causar alguns problemas, muito comum em filhotes, independente de raça ou temperamento do animal.

Cães sozinhos nas ruas sem seus donos estão expostos a vários riscos que vão desde atropelamentos, maus-tratos por desconhecidos, brigas com outros cães até a maior exposição a doenças virais e parasitárias, incluindo os ectoparasitas (pulgas e carrapatos)

O ideal é que cães não andem pelas ruas sozinhos. Se o animal possui a necessidade de ir à rua, que seja devidamente identificado, com coleiras e com seus donos. Quando o animal é, por exemplo, adotado e já vem com esse hábito, deve-se ter o máximo de cuidado para que ele não fuja de sua nova casa e que se acostume com a guia.

A castração desses animais pode diminuir consideravelmente essa necessidade, assim como colocá-los para se exercitar. A instalação de grades e cercas pode também ajudar e, se for necessário, a contratação de um profissional da área contribui nessa tarefa nem sempre fácil. Ao sair com seu animal de casa para os passeios diários, sempre lembrar de levar saquinhos plásticos para recolher as necessidades (fezes) do seu animal em questão, evitando assim situações desagraveis com moradores e/ou pedestres.

 

Fonte: Canil Municipal Francisco de Assis

 

Foto: Diretora da Vigilâncias em Saúde e equipe do canil municipal