Município intensifica fiscalização para coibir aglomerações


Publicado em 18 de junho de 2020
Forças de segurança em trabalho conjunto no enfrentamento da pandemia do coronavírus

As forças de segurança pública de Iracemápolis estão intensificando a fiscalização em comércios e chácaras para averiguar o cumprimento dos decretos do Município e do Estado que determinam normas de funcionamento para conter a pandemia do novo coronavírus.

Nesta quarta-feira (17), o prefeito Fábio Zuza, o delegado de Iracemápolis, Rodrigo Rodrigues, o 1º sargento da Polícia Militar, Evandro Luis Gaioto, o coordenador de Segurança, Célio Rodrigues, e a comandante da GCM, Simone Rizzo, definiram uma série de medidas a fim de intensificar o trabalho.

As medidas foram tomadas com base em dados apresentados pela coordenadora de Saúde, Geseli Alves da Silva, e pela diretora da Vigilância Sanitária, Eliane Raetano, que mostram aumento de casos de covid-19 na região. Na sequência, na quinta-feira (18), foram apresentadas ao “Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento”, que reúne profissionais de diversos setores para a definição de estratégias de enfrentamento da pandemia, com a presença da Associação Comercial (ACIAI).

COMÉRCIO

A fiscalização será intensificada em toda a cidade, a começar por estabelecimentos autorizados a funcionar, mas que precisam cumprir regras sanitárias de proteção e higiene pessoal, além do horário de funcionamento, conforme decretos.

O objetivo é averiguar se os comerciantes estão cumprindo as normas de saúde.

CHÁCARAS E EVENTOS

Também há preocupação com as chácaras da cidade, que sempre sediaram festas com aglomerações. Neste momento, esses eventos estão proibidos, públicos ou particulares.

Por isso, o aluguel de chácaras é vetado, e o dono do imóvel responde criminalmente, junto com o organizador da festa, em caso de descumprimento.

A Prefeitura informou que, ao analisar os dados sobre a covid-19, foi observado que o aumento de casos tem ligação com aglomerações particulares, em festas promovidas por moradores em residências, sobretudo nos finais de semana.

Os profissionais de saúde também reforçam que igrejas devem suspender cultos e outras atividades que podem gerar aglomerações.

MINISTÉRIO PÚBLICO

Nesta semana, o Ministério Público (MP-SP) solicitou ao Município dados que embasem a flexibilização realizada no comércio. Quando o setor econômico foi flexibilizado, Iracemápolis contabilizava 35 casos de covid-19. Hoje, são 109.

Pelas regras atuais dos decretos, a flexibilização vai até 28 de junho. No entanto, com a intensificação da fiscalização, caso não haja estabilidade no registro de casos, não está descartado novo fechamento do comércio.

O objetivo é resguardar a saúde pública, que passa por grave momento de crise, como é de conhecimento público.

ABERTURA ILEGAL

Embora neste momento esteja permitida a abertura de determinados comércios, outros ainda não podem funcionar. Por isso, os proprietários precisam se atentar que, em caso de funcionamento ilegal, estão sujeitos às penalidades da lei.

Bares estão proibidos de abrir em qualquer horário. O descumprimento pode ser punido com aplicação de multa, interdição e cassação de alvará.

CONSCIÊNCIA

A Prefeitura reforça que o desafio de enfrentamento à covid-19 é coletivo e depende do esforço conjunto com a sociedade. Os casos só irão se estabilizar se todos fizerem a sua parte e seguirem as orientações dos profissionais da saúde.

Por isso, permaneça dentro de casa e respeite o isolamento social. Saia apenas quando necessário e utilize máscara de proteção. Lembre-se também de lavar as mãos e utilizar álcool em gel com frequência.

 

FAÇA SUA PARTE E RESPEITE AS ORIENTAÇÕES

O QUE PODE ABRIR (com restrições)

  • Pronto Socorro, Postos de Saúde, clínicas, farmácias e serviços de limpeza;
  • Supermercados, açougues, padarias e congêneres;
  • Outros estabelecimentos de alimentação em sistema de delivery;
  • Postos de combustíveis, oficinas de veículos, transporte público e pet shops;
  • Serviços de segurança privada;
  • Serviços de comunicação, como jornais, rádios, bancas etc.;
  • Comércio em geral, desde que por 4 horas ininterruptas ao dia;
  • Indústrias e fábricas.

O QUE NÃO PODE

  • Cultos e outras atividades religiosas que podem gerar aglomerações;
  • Consumo de alimento dentro de estabelecimento comercial;
  • Abertura de bares e academias de ginástica;
  • Abertura de salões de beleza e barbearias;
  • Eventos com aglomeração, quaisquer que sejam, públicos ou particulares;
  • Festas em chácaras, celebrações ou comemorações com aglomerações;
  • Prática de esporte coletivo em chácaras ou quaisquer outros locais;
  • Abertura de escolas e centros culturais, educacionais e de tecnologia.

Denúncias: ligar para a Polícia Militar (190)